Solange brinca com grilhões

Solange Caldas é daquelas artistas que materializa seu pensamento com facilidade e propriedade. Bem por isso sua produção não se limita a um único procedimento ou linguagem. Transitando entre desenho, pintura, colagem e objetos, Solange vai lançando mão de peças encontradas ou descartadas, linhas e tecidos para a realização de seu trabalho. Tudo serve e é bem utilizado para dar materialidade ao seu pensamento.

Essa liberdade que encontramos no processo criativo de Solange é próprio do que entendemos hoje como possibilidades do fazer artístico. Restringir a expressão do artista a uma única linguagem implicaria em não dar vazão a uma vasta gama de recursos, ideias e práticas tão diferentes entre si e tão ricas em significados.  Quando bem articulada pelo artista, e é o caso de Solange, esta diversidade de procedimentos resulta em trabalhos que levam a reflexão e ao deslocamento do lugar de acomodação.

Solange explora diferentes maneiras de criar, faz conexões com elementos heterogêneos, subtrai dos objetos sua função útil para dar-lhes valor de experiência, fazendo com que funcionem de maneira diversa, formando novas composições. Como escreve Cristina Pescuma em Arte como Jogo[i], (…) não se trata de adaptações ou justaposições , mas de produzir uma diferença de natureza”. Este jogo é marcado principalmente por elementos de repetição em variadas combinações, sempre abertas ao acaso, num exercício contínuo de criação  e de experimentação.

Na série mais recente de trabalhos intitulada “Brincando com grilhões”, Solange traz um conjunto de sapatos femininos de saltos muito altos, carregado de simbolismo e sensualidade. A artista envolve esses sapatos em uma trama que pode ser pensada como amarras femininas. Difícil não fazer relação entre os altíssimos saltos e os espartilhos que torturavam os corpos de mulheres na busca da apresentação de um corpo sensual. Assim como o abandono daquela peça representou um dos primeiros atos de libertação feminina, Solange ironiza os sapatos através das amarras, de enfeites coloridos, fitas ou flores.

Quando a criação artística questiona dogmas, hábitos e o senso comum, quando relativiza certezas e verdades absolutas nos colocando em estado de pensamento,  a arte cumpre seu papel. Nesse momento, o artista e sua obra nos faz sair da percepção consciente, realizar outras conexões e entrar em novas vibrações. Assim é o trabalho de Solange Caldas.

Rosana Almendares
Artista Visual Especialista em Cinema e Design pela UNISINOS
Novembro-2016

[i] Pescuma, Cristina – Arte Como Jogo – BLADE – 2015